Rádio e TV Senado fazem especiais sobre Glauber Rocha

publicado em 23/08 às 14h54

Provocador, vanguardista, revolucionário, o baiano Glauber Rocha reiventou a forma de fazer cinema no País, ganhando projeção internacional. O cineasta, morto em 22 de agosto de 1981, terá sua memória celebrada nesta terça-feira (23), em sessão especial no plenário do Senado.

O autor do memorável Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) - apontado por críticos como um dos melhores filmes brasileiros de todos os tempos - tem recebido uma série de homenagens na Casa durante o mês, com direito a programações especiais exibidas pelas TV e Rádio Senado.

- A ideia era de fazer uma homenagem a Glauber Rocha, da forma como se fez para o centenário de Carybé (artista plástico). Que marcasse a importância dele para a nossa cultura. Como senadora da Bahia, procuro usar o mandato para promover os artistas baianos que tiveram destaque nacional - afirma Lídice da Matta, responsável pela iniciativa.

O presidente da Casa, José Sarney (PMDB) - perfilado pelo cineasta no documentário "Maranhão 66" -, resolveu se incorporar à celebração. Acertou-se que, todos os domingos, a TV Senado exibiria um filme de Glauber. E, no dia 24, "O Leão de Sete Cabeças" será apresentado, em cópia restaurada, no auditório do Senado, às 19h. Foi a primeira produção do baiano no exílio.

Um dos mais importantes nomes do Cinema Novo, Glauber é autor de obras como "Barravento" (1962); "Terra em transe (1967) - que recebeu o Prêmio da Crítica Internacional em Cannes - e "O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969)". A crítica social, feita sempre com ferocidade e contundência, era das principais marcas do homem que popularizou a frase "uma câmera na mão e uma ideia na cabeça".

Fonte: TERRA MAGAZINE