‘Itatiaia Rádio Bar’ é o novo projeto da emissora para Copa

publicado em 29/01 às 09h17

A Copa do Mundo 2014 terá uma cobertura orçada em US$ 1,3 milhão na Rádio Itatiaia, de acordo com o presidente da emissora, Emanuel Carneiro. Mas, além da megacobertura para o mundial no Brasil, o empresário e sua equipe estão envolvidos num outro projeto: o Itatiaia Rádio Bar, que será inaugurado no dia 20 de fevereiro, na rua Piumhi, no bairro Anchieta, em Belo Horizonte.
“Imaginamos fazer um bar temático. A Itatiaia não é proprietária. Ela cedeu os direitos do nome e topou para abrir um novo campo”, conta Carneiro. O diretor de mercado da rede Itatiaia, Carlos Rubens Doné, diz que o bar será inédito no Brasil. “Queremos oferecer ao ouvinte, ao público, não só a boa comida, mas a interatividade”, diz, animado.

Com investimento de R$ 1,5 milhão, o Itatiaia Rádio Bar tem capacidade para 250 pessoas com 40 funcionários. A parte operacional do bar é dos sócios da operação – Alexei Vallerini e Bernardo Almeida Gardini. A Itatiaia entra com a programação, ideias, com a marca, comunicação visual e projetos comerciais.

Na participação dos resultados do empreendimento, a Itatiaia vai receber royalties pela cessão do nome, mas a emissora não divulga o valor que será fixo e mensal. O gerente comercial da Itatiaia, Bruno Biachini, e Carlos Rubens Doné terão participação sobre o lucro.

“Vamos ter cotas comerciais. Chamamos de embaixadores. A Net já foi a primeira cota que fechamos”, conta Doné, que já tem outros embaixadores em vista como montadora e cerveja. O estilo de cota escolhido é o chamado “naming rights” (direito sobre a propriedade de nomes), o mesmo que os estádios da Copa estão adotando com seus patrocinadores com a cessão de nomes. No caso do Itatiaia Rádio Bar, os valores das cotas vão de R$ 10 mil a R$ 70 mil.

Por dentro do bar, Doné antecipa alguns detalhes. Mesas interativas com conteúdo – são quatro. “É só passar o celular e tem gols, jogos. Pode ter Cruzeiro e Atlético na mesa e outros esportes também”, diz Doné.

O executivo conta que se o torcedor que é cruzeirense e quer ouvir um gol narrado pelo Alberto Rodrigues terá isso armazenado. O mesmo ocorrerá para as narrações do Atlético com Mário Henrique Caixa. “Passando o seu celular, vira a tela, encosta na mesa e copia o gol”.
No espaço do estúdio palco, os frequentadores poderão assistir às transmissões e também a shows, stand- ups, palestras, mesas redondas. “Na mesa, se tem uma entrevista com os presidentes do Cruzeiro e do Galo, tem como fazer uma pergunta a eles, pois vai ter um estúdio no bar. Vai ter jogador lá também”, adianta.

Fonte: O TEMPO - Helenice Laguardia